Auto estima

By Nina Santini - 18:48

Já passaram pouco mais de 8 anos, agora me sinto bem em falar sobre isso pela primeira vez,
pode pegar um banquinho ou se encostar no aconchego do seu sofá quentinho. Gostava que isto fosse apenas uma história que todos ouvimos na televisão, mas... por outro lado fico feliz em poder estar aqui hoje passando para vocês uma má experiência que graças a Deus me permitiu evoluir bastante como ser humano. Conto com felicidade no coração , porque espero que muitas adolescentes, jovens que estejam passando por situação semelhante possam se espelhar e se tornarem pessoas fortes e que encontrem aqui uma escapatória de um ciclo viciante.

¨Em psicologiaautoestima inclui uma avaliação subjetiva que uma pessoa faz de si mesma como sendo intrinsecamente positiva ou negativa em algum grau.¨

Quem me vê hoje, jamais imagina que fui uma adolescente cabisbaixo , sem auto estima e confiança em mim. Jamais imaginaria que abaixei a minha cabeça tantas vezes e chorei por pessoas que nunca valeram a pena, que cheguei a acreditar em coisas maldosas que os outros falavam de mim.
Me olhava no espelho e simplesmente me odiava, achava o meu cabelo muito seco, não era bonito, e os meus lábios ? Sempre foram carnudos e eu nunca aceitei, pois todas as meninas tinha lábios finos e eu a boca daquele tamanho que chamava mais atenção e eu simplesmente queria que todos esquecessem da minha existência. 

Era um show de palavras depreciativas, olhares incomodados com a minha presença, havia perseguição até naquilo que eu mais gostava de fazer para distrair, estar na internet e ser uma pessoa comum que se divertia, mas não, eles tinham que fazer de tudo para que eu me sentisse mal, conseguiam. Eu me abati, chorei horrores e me isolei muito e nunca entendi porque me tratavam daquela forma. Me silenciei perante tanto sofrimento, eu sabia, ou mesmo, supunha que eu não tinha com quem contar. O que muda a minha história é o fato de conseguir sair desse ciclo vicioso e me livrar daquela carga negativa traga pelos agressores, sim, agressores, porque eu não fui agredida fisicamente, mas o que eles fizeram com o meu psicológico quase acabou comigo. Terminei o ensino fundamental (9 ano) e me foquei em mim, trabalhei em mim e em ser uma nova pessoa, fortalecida em uma escola diferente aonde não iria estudar com as mesmas pessoas ás quais convivi durante quase 5 anos, aprendi com outras pessoas a me reinventar e isso me mudou completamente.

Hoje com 23 anos, sou bem resolvida, não sinto complexo de inferioridade perante ninguém, porque sei que o mundo é uma jaula de leões e que sim, eles são agressivos, não é fácil, mas jamais se sinta inferior a outros semelhantes a você. Tomei aquela dor que senti quando mais jovem e fiz dela um ensinamento e uma força para todos os dias, foi duro, mas hoje nada mais me afeta, me tornei uma mulher mais forte, dou a certeza que irei ensinar os meus filhos a nunca machucar uma menina não só fisicamente, como verbalmente/ psicologicamente . Consigo me olhar no espelho , me vejo, adulta, bonita e satisfeita com o meu cabelo crespo, lábios grandes ( Eu amo!) e sem falar do meu tom de pele que eu acho maravilhoso! Até hoje tenho alguma acne devido a um problema hormonal, mas e daí se os outros não gostam ? Agora, eu posso sorrir dizendo estas coisas, pois me alegro por estar viva.
 Aprendi a me amar aos poucos, me amar pelo que sou! Não preciso da aprovação de ninguém , a não ser Deus ! Por isso eu digo, eu sou linda, do meu jeitinho ❤️ 

  • Compartilha:

Veja também

0 comentários